Depressão

Conheça 7 sintomas físicos da depressão

A depressão não é uma perturbação apenas psicológica, seus efeitos também afetam o corpo. Saiba mais.

Conheça 7 Sintomas Físicos da Depressão

Depressão dói. E apesar do nosso costume de associar essa doença a dores emocionais como tristeza, choro e sentimento de desesperança, pesquisas mostram que a depressão também pode se manifestar fisicamente – e é fundamental dar atenção para esses sintomas.

Essa é, antes de mais nada, uma ótima forma de acompanhar o estado do seu corpo e mente. Sintomas físicos podem indicar quando um período depressivo está prestes a começar, ou pelo menos servir de indicação se você pode estar sofrendo de depressão ou não.

Por outro lado, sintomas físicos provam que a depressão é, de fato, muito real e prejudica seu bem-estar geral.

Veja abaixo 7 das principais maneiras que a depressão se manifesta fisicamente.

Fadiga ou nível de energia sempre baixo

A fadiga é um sintoma comum de depressão. É normal que todos, ocasionalmente, passem por momentos de pouca disposição. O normal, porém, é que esse estado não seja constante e nem excessivamente intenso.

Enquanto nós geralmente associamos essa indisposição ao estresse ou cansaço, a depressão também pode provocar esse sintoma. A fadiga que vem da depressão, porém, também pode causar problemas de concentração, irritabilidade e apatia.

Entretanto, uma vez que uma variedade de doenças também causam fadiga, pode ser um desafio identificar se a depressão é o motivo.

Uma boa maneira de descobrir: enquanto a fadiga não é um sintoma muito específico, tristeza, desesperança e anedonia (não sentir prazer em atividades agradáveis) possivelmente também estarão presentes se o quadro for de depressão.

Menor tolerância à dor

Você já sentiu como se seus nervos estivessem queimando mesmo sem um motivo aparente para esse incômodo físico? Saiba que depressão e dor podem estar relacionadas.

Um estudo identificou uma correlação entre pessoas depressivas e uma tolerância menor à dor. Outra pesquisa mostrou que a dor tem um impacto maior nas pessoas que estão deprimidas.

Ainda não foi estabelecida uma relação de causalidade entre a tolerância à dor e depressão, mas é importante avaliá-las juntas.

Dor nas costas ou dor muscular por todo o corpo

Você pode se sentir confortável ao acordar, mas assim que começa a trabalhar ou quando se senta na cadeira para estudar, suas costas começam a doer. Pode ser estresse, mas também pode ser depressão.

Embora sejam frequentemente associadas a postura ruim ou lesões, as dores nas costas também podem ser causadas por aflição psicológica.

Psicólogos e psiquiatras por muito tempo têm acreditado que problemas emocionais podem causar dores e desconfortos crônicos. Os detalhes, porém, ainda estão sendo estudados, como a relação entre depressão e a resposta inflamatória do corpo.

Estudos mais recentes sugerem que as inflamações no corpo podem ter a ver com nossos neurocircuitos cerebrais. Acredita-se que as inflamações podem interromper os sinais cerebrais e, portanto, ter um papel na depressão e na forma de tratá-la.

Dores de cabeça

Quase todo mundo sente dores de cabeça de vez em quando. Elas são tão comuns que nós geralmente só esperamos passar, sem dar muita atenção ao que pode ter causado o incômodo temporário.

Situações estressantes, como uma discussão com um colega de trabalho, por exemplo, podem provocar uma dor de cabeça.

Entretanto, pode ser que a raiz do problema seja um pouco mais profunda que isso. Se as dores de cabeça se tornam frequentes – quase diárias – a depressão pode ser o real motivo.

Ao contrário das terríveis enxaquecas, as dores de cabeça causadas pela depressão não invalidam completamente o indivíduo. Esse tipo de dor frequentemente se manifesta como um latejamento moderado na região das sobrancelhas.

Embora um simples analgésico seja efetivo nesses casos, esse tipo de dor pode ser recorrente, o que pode indicar um quadro de depressão.

Mas, assim como no caso da fadiga, a depressão é apenas uma de várias possibilidades. A coexistência de sintomas como tristeza, pessimismo e apatia reforçam a depressão como hipótese mais provável.

Problemas nos olhos ou visão se deteriorando

Sentiu uma piora na sua visão ultimamente? Enquanto a depressão pode causar a impressão de que o mundo perdeu a cor, um estudo finlandês sugere que a doença pode realmente afetar a visão da pessoa.

No estudo, indivíduos deprimidos apresentaram dificuldade em distinguir o preto do branco, o que pode explicar porque a depressão faz o mundo parecer mais cinza.

Dor de estômago ou desconforto no abdômen

O sentimento de desconforto no estômago é um dos sinais mais comuns de depressão. Entretanto, essa sensação é geralmente atribuída aos gases ou dores menstruais.

Dores que pioram, principalmente quando o estresse aumenta, podem ser um indício de depressão.

Qual a ligação entre as duas coisas? Pesquisadores de Harvard supõem que a depressão pode causar (ou ser causada por) um sistema digestivo inchado, junto com dores que são facilmente confundidas com a Doença Inflamatória Intestinal ou com a Síndrome do Intestino Irritável.

Médicos muitas vezes se referem ao intestino como “segundo cérebro”, porque encontraram uma conexão entre a saúde intestinal e o bem-estar mental. Nosso sistema digestivo está repleto de bactérias, e havendo um desequilíbrio, sintomas de depressão e ansiedade podem surgir.

Adotar uma dieta balanceada e tomar probióticos pode melhorar a saúde intestinal da pessoa, o que também pode fazer bem para o humor, embora mais pesquisas sejam necessárias.

Problemas digestivos ou rotina intestinal irregular

Problemas digestivos como constipação e diarreia pode ser constrangedores e desconfortáveis. Normalmente causados por infecção alimentar ou vírus gastrointestinais, é fácil assumir que desconfortos na região surgem somente por razões físicas.

Porém, emoções como tristeza, ansiedade e sobrecarga emocional podem prejudicar nosso trato digestivo. Um estudo de 2011 sugere uma ligação entre ansiedade, depressão e dor gastrointestinal.

Dor é uma maneira do cérebro se comunicar

Se você se sente desconfortável em identificar ou falar sobre aflições emocionais como tristeza, raiva ou vergonha, isso pode fazer com que os sentimentos se manifestem de maneira diferente no seu corpo.

Se você está sentindo algum desses sintomas físicos por um período prolongado de tempo, agende uma consulta com seu médico ou com um profissional de saúde mental.

A depressão pode ser causada por uma variedade de fatores, como genética, exposição a traumas na infância e química cerebral. Pessoas com depressão geralmente precisam de ajuda profissional, como psicoterapia ou remédios, para se recuperarem completamente.

João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

O que É Depressão de Alto Funcionamento?

22.11.2021 | João Vitor Santos

O que É Depressão de Alto Funcionamento?

A depressão nem sempre é incapacitante. Com a depressão de alto funcionamento, a pessoa leva uma vida aparentemente normal. Saiba mais.

Depressão Infantil – Tudo o Que Você Precisa Saber

20.11.2021 | João Vitor Santos

Depressão Infantil – Tudo o Que Você Precisa Saber

A depressão pode afetar pessoas de todas as idades. Conheças os sintomas, causas e tratamentos contra a depressão infantil.

Depressão Pós-Parto - Tudo o que Você Precisa Saber

18.11.2021 | João Vitor Santos

Depressão Pós-Parto - Tudo o que Você Precisa Saber

A depressão pós-parto é um transtorno que todos os anos afeta mais de 2 milhões de mulheres no Brasil. Entenda mais sobre essa condição.

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.