Maternidade | Depressão

Depressão pós-parto - Tudo o que você precisa saber

A depressão pós-parto é um transtorno que todos os anos afeta mais de 2 milhões de mulheres no Brasil. Entenda mais sobre essa condição.

Depressão Pós-Parto - Tudo o que Você Precisa Saber

O que é depressão pós-parto?

Você possivelmente já ouviu falar da baby blues. Isso porque é bastante comum que novas mães se sintam um pouco tristes, preocupadas ou cansadas.

Enquanto alguns sintomas parecem os mesmos, a depressão pós-parto é diferente da baby blues.

Ela é muito mais poderosa e dura mais. Pode causar mudanças extremas de humor, exaustão e uma sensação de desesperança. A intensidade dos sentimentos pode dificultar que você cuide do bebê ou de si mesma.

No Brasil, cerca de 25% das mães apresentam o transtorno no período de 6 a 18 meses após o parto.

A depressão pós-parto não é brincadeira. É um transtorno sério, mas que pode ser derrotado com tratamento adequado.

Quais são os sintomas da depressão pós-parto?

Embora seja normal sentir-se um pouco mal-humorada ou cansada depois de ter um bebê, a depressão pós-parto vai muito além disso. Os sintomas são severos e interferem na sua capacidade de ser funcional.

Os sintomas desse transtorno variam de mulher para mulher e até mesmo de um dia para o outro.

Se você tem depressão pós-parto, é possível que você conheça alguns desses sinais:

  • Você se sente triste e chora muito, mesmo quando não sabe o motivo;
  • Você se sente exausta, mas não consegue dormir;
  • Você dorme demais;
  • Você não para de comer ou não tem o menor interesse em comida;
  • Você tem muitas dores ou incômodos físicos inexplicáveis;
  • Você não sabe porque está irritada, ansiosa ou com raiva;
  • Seu humor muda de repente e sem qualquer sinal;
  • Você se sente fora de controle;
  • Você tem dificuldade em se lembrar das coisas;
  • Você não consegue se concentrar ou tomar decisões simples;
  • Você não tem interesse em coisas que você costumava gostar;
  • Você se sente desconectada do seu bebê e se pergunta por que não está cheia de alegria como achava que ia estar;
  • Tudo parece esmagador e você sente desesperança;
  • Você se sente sem valor e se culpa por seus sentimentos;
  • Você sente que não pode desabafar com ninguém porque vão achar que você é uma péssima mãe, então você se fecha;
  • Você quer escapar de tudo e de todos;
  • Você tem pensamentos intrusivos sobre machucar a si mesma ou o seu bebê.

Seus amigos e familiares podem notar que você está se afastando deles, das atividades sociais ou que você simplesmente não gosta de si mesma.

Os sintomas normalmente começam algumas semanas após o parto. Às vezes, o transtorno só surge meses depois.

Os sintomas podem desaparecer por um dia ou dois e depois retornar. Sem o tratamento adequado, é possível que os sintomas piorem.

Tratamento contra depressão pós-parto

Se você tem sintomas da depressão pós-parto, você deve visitar seu médico o mais rápido possível para que você possa começar o tratamento.

Existem dois tratamentos principais contra a depressão pós-parto: medicação e terapia.

Ambos podem ser usados isoladamente, mas talvez tenham uma eficácia maior se forem combinados. Também é importante fazer algumas escolhas saudáveis dentro de sua rotina.

Pode ser que leve um tempo até você descobrir qual tratamento funciona melhor para você. Mantenha sempre a comunicação com seu médico.

Medicação

Antidepressivos agem diretamente sobre o cérebro, eles alteram as substâncias que regulam o humor.

Seu efeito não é imediato, entretanto. É possível que várias semanas se passem antes de você perceber diferenças no seu humor.

Algumas pessoas têm efeitos colaterais quando tomam antidepressivos. Entre esses efeitos pode-se citar: fadiga, baixa libido e tontura.

Se você está com a impressão de que os efeitos colaterais estão piorando seus sintomas, contate o médico imediatamente.

Alguns antidepressivos podem ser tomados com segurança enquanto você está amamentando, outros, talvez não. Certifique-se de que seu médico sabe que você está amamentando.

Se seus níveis de estrogênio estão baixos, seu médico pode recomendar terapia hormonal.

Terapia

Um psiquiatra, psicólogo, ou outro profissional da saúde mental pode oferecer aconselhamento.

A terapia pode ajudá-la a entender os pensamentos destrutivos e oferece estratégias para lidar com eles.

Se você está procurando um terapeuta, encontre seu profissional na PsyMeet Social.

Autocuidado

Essa parte do tratamento pode ser um pouco mais difícil do que parece. Praticar o autocuidado significa ser um pouco mais gentil consigo mesma.

Você não deveria assumir mais responsabilidade do que consegue suportar. Os outros talvez não saibam do que você precisa, então é importante contar a eles.

Separe um tempo para você, mas não se isole. Participar de um grupo de apoio para novas mães pode ser uma boa ideia.

Álcool é um depressor, procure manter-se longe dele. No lugar, dê ao seu corpo tudo o que ele precisa para se curar. Tenha uma dieta saudável e balanceada e se exercite todos os dias, nem que seja só uma volta no quarteirão.

O tratamento ajuda a maioria das mulheres a melhorar depois de 6 meses, embora possa demorar mais.

Existem remédios naturais para a depressão pós-parto

A depressão pós-parto é uma condição neurológica importante que você não deve tentar tratar sem ajuda profissional.

Junto do tratamento médico, remédios naturais como exercícios e dormir o suficiente ajudam a diminuir os sintomas. Massagem, meditação e técnicas de Mindfulness podem fazer com que você se sinta melhor.

Mantenha uma dieta rica em nutrientes, mas pobre em alimentos processados. Se você não receber os nutrientes de que precisa na sua dieta, peça ao seu médico recomendações de suplementos nutricionais.

O que causa a depressão pós-parto?

A causa exata não está clara, mas existem alguns fatores que podem contribuir para a depressão pós-parto. Entre eles, uma combinação entre mudanças físicas e estressores emocionais.

Fatores físicos

Uma das maiores mudanças físicas que acontecem após o parto envolvem hormônios. Enquanto você está grávida, seus níveis de estrogênio e progesterona estão acima do comum. Apenas horas após o parto, os níveis hormonais voltam ao que eram antes. Essa mudança brusca pode causar depressão.

Outros fatores físicos incluem:

  • Hormônios da tireoide em nível baixo;
  • Privação de sono;
  • Dieta inadequada;
  • Condições médicas não diagnosticadas;
  • Excesso de drogas ou álcool.

Fatores emocionais

Você tem uma chance maior de desenvolver depressão pós-parto se você já teve um transtorno de humor no passado ou se houver histórico de algo do tipo na família.

Os estressores emocionais podem incluir:

  • Divórcio ou morte de uma pessoa próxima recentemente;
  • Você ou o bebê tendo algum problema sério de saúde;
  • Isolamento social;
  • Compromissos financeiros significativos;
  • Falta de apoio.

4 dicas para lidar com a depressão pós-parto

Depois de se consultar com seu médico, existem algumas coisas que você pode fazer para lidar com a depressão pós-parto.

1. Comunique-se

Você pode sentir-se tentada a guardar seus sentimentos só para você, especialmente se você for uma pessoa naturalmente reservada.

Entretanto, pode ser útil desabafar com alguém que você confia. Você pode descobrir que não está sozinha e que há pessoas dispostas a ouvir.

2. Não isole-se

Permanecer em reclusão com os seus sentimentos pode piorar a depressão. Não é obrigatório ter uma vida social agitada, mas faça um esforço para manter seus relacionamentos mais próximos – isso vai ajudá-la a se sentir conectada.

Se você fica mais confortável dentro de um grupo, você pode se juntar a um grupo de apoio contra a depressão, ou um grupo específico para novas mães.

Se você deixou de participar de atividades em grupo que você costumava gostar, retorne a elas, pois isso pode ajudar. Fazer parte de um grupo te ajudará a focar em coisas diferentes e a aliviar estresse.

3. Abra mão de algumas tarefas

Se você não se sente à vontade em fazer algumas tarefas, não insista nelas. Use sua energia em atender as necessidades básicas suas e do bebê.

Se for possível, peça ajuda a amigos e familiares.

4. Descanse e relaxe

Tanto o seu corpo quanto o seu espírito precisam de uma boa noite de sono.

Se seu bebê não dorme durante longos períodos de tempo, peça para alguém assumir um turno para que você possa descansar um pouco.

Se você tem dificuldade em pegar no sono, tente um banho quente, um bom livro, ou qualquer coisa que ajude você a relaxar. Massagem e meditação podem ajudar a baixar a tensão e ajudá-la a dormir.

Medicamentos contra depressão pós-parto

Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina

Paroxetina, fluoxetina e sertralina são Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina (ISRS) – são os antidepressivos mais comumente usados. Essas drogas atuam sobre a serotonina, um hormônio que regula o humor.

Os ISRS costumam ter menos efeitos colaterais que outros antidepressivos.

Antidepressivos atípicos

Esses antidepressivos mais novos também atuam sobre vários neurotransmissores no cérebro.

Duloxetina e venlafaxina são exemplos de antidepressivos atípicos.

Antidepressivos tricíclicos e inibidores da monoamina oxidase

Esses antidepressivos mais antigos também afetam os neurotransmissores. Eles tendem a causar efeitos colaterais mais intensos e não costumam ser receitados sem que as outras opções tenham falhado.

Considerações e efeitos colaterais dos antidepressivos

Todos os antidepressivos podem causar efeitos colaterais, como:

  • Boca seca;
  • Náusea;
  • Tontura;
  • Dores de cabeça;
  • Insônia;
  • Inquietação;
  • Cansaço;
  • Ganho de peso;
  • Sudorese;
  • Diarreia;
  • Constipação;
  • Libido reduzida;
  • Ansiedade;
  • Tremores.

Antidepressivos geralmente levam várias semanas para começarem a funcionar, então é preciso um pouco de paciência.

Eles precisam ser tomados exatamente como prescrito, sem pular doses. Você vai começar com a menor dose, mas seu médico pode aumentar a dosagem caso não esteja surtindo efeito.

Pode ser necessário um pouco de tentativa e erro para encontrar o melhor medicamento na melhor dosagem para você. Enquanto estiver tomando esse tipo de medicamento, é necessário falar com seu médico constantemente.

Se você está tomando uma dose alta, ou tomando há bastante tempo, pode ser uma boa ideia reduzir gradualmente o consumo quando chegar a hora de parar. Uma interrupção imediata pode aumentar os efeitos colaterais.

Terapia hormonal

A terapia hormonal é uma opção se seus níveis de estrogênio estão baixos. Os efeitos colaterais da terapia hormonal podem incluir:

  • Mudança de peso;
  • Dor no seio;
  • Náusea e vômito;

A terapia hormonal também pode aumentar o risco do desenvolvimento de certos cânceres.

Antes de tomar qualquer medicamento ou começar terapia hormonal, avise seu médico se estiver amamentando. Algumas dessas substâncias podem ser passadas para seu bebê através do leite materno.

O que é depressão pós-parto severa?

Sem tratamento, a depressão pós-parto pode ficar cada vez pior. É mais perigosa quando causa pensamentos de machucar a si mesma ou outras pessoas. Uma vez que esses pensamentos começam a surgir, a intervenção médica se faz necessária.

Sintomas da depressão pós-parto severa incluem:

  • Alucinações – ver, ouvir, cheirar ou sentir coisas que não estão lá;
  • Delírios, ou acreditar em coisas irracionais, colocar muita importância em coisas insignificantes ou se sentir perseguida;
  • Desorientação, confusão ou falar coisas sem sentido;
  • Comportamento estranho ou errático;
  • Raiva e comportamento violento;
  • Pensamentos suicidas ou tentativa de suicídio;
  • Pensamentos de machucar seu bebê.

Esses todos são sinais de que você precisa de tratamento médico emergencial. Hospitalização talvez seja necessária.

A depressão pós-parto pode ameaçar a vida, mas pode ser tratada com sucesso.

Quais os fatores de risco para a depressão pós-parto?

Qualquer nova mãe pode desenvolver depressão pós-parto independente da idade, etnia ou quantos filhos ela tem.

Esses fatores podem aumentar o risco:

  • Depressão prévia ou outro transtorno emocional; Histórico familiar de depressão;
  • Problemas sérios de saúde;
  • Evento estressante recente como divórcio, morte ou doença séria de uma pessoa amada;
  • Gravidez indesejada ou difícil;
  • Ter gêmeos, trigêmeos ou outros múltiplos;
  • O bebê nascer prematuramente ou com problemas de saúde;
  • Estar em um relacionamento abusivo;
  • Isolamento ou falta de apoio emocional;
  • Dieta ruim;
  • Abuso de drogas ou álcool;
  • Privação de sono e exaustão.

Se você identifica algum desses fatores de risco em si mesma, fale com seu médico assim que você notar os sintomas.

Prevenção contra a depressão pós-parto

Prevenção absoluta não é realmente possível. Ainda assim, alguns fatores podem deixá-la mais suscetível à depressão pós-parto, portanto, existem algumas coisas que você pode fazer para diminuir seu risco.

Antes de mais nada, seja proativa. Durante a gravidez, conte ao seu médico se:

  • Você já teve um episódio de depressão pós-parto;
  • Você já teve transtorno depressivo maior ou outro transtorno emocional;
  • Você atualmente tem sintomas de depressão.

Seu médico fará recomendações e prescreverá a terapia adequada para você.

Você também pode reduzir sua chance de ter depressão pós-parto ao seguir as seguintes dicas:

  • Deixe uma rede de suporte preparada antes de o bebê nascer;
  • Formule um plano de ação e escreva-o. Inclua a informação de contato do seu médico e a de um familiar ou amigo em quem você pode confiar;
  • Tenha alguém para cuidar do seu filho caso você precise de uma folga. Se sintomas aparecerem, você saberá exatamente a quem recorrer;
  • Mantenha uma dieta saudável e tente se exercitar todos os dias;
  • Não se prive das atividades que você gosta e tente dormir bastante;
  • Mantenha as linhas de comunicação abertas com quem você ama.

Um novo bebê na casa muda a dinâmica familiar e altera os padrões de sono. Você não precisa ser perfeita, por isso, pegue leve com você mesma.

Informe imediatamente qualquer sintoma ao seu médico. Quanto mais cedo o tratamento começar, maiores as chances de sucesso.

O que é psicose pós-parto?

A forma mais severa de depressão pós-parto é a psicose pós-parto - um transtorno raro.

Quando ela aparece, costuma ser nas primeiras semanas após o parto. A psicose é mais provável caso você tenha histórico de transtornos de humor.

Psicose significa que você não está mais conectada à realidade – geralmente ela está associada com doença bipolar.

Os sintomas iniciais são inquietação, irritabilidade e insônia. Eles podem ser tomados por sintomas de baby blues ou simplesmente de privação de sono.

Com a progressão da psicose, sintomas como alucinações e delírios também surgem. Quando isso acontece, você vê, ouve, cheira e sente coisas que não existem, mas que parecem reais para você. Por exemplo, você pode ouvir uma voz dizendo para você machucar seu bebê ou sentir que sua pele está infestada de insetos.

Delírios são ideias irracionais ou grandiosas, ou ainda, sentimento de perseguição, apesar de evidência do contrário.

Por exemplo, você pode acreditar que as pessoas estão tramando contra você. Delírios também podem girar em torno do seu bebê.

Outros sintomas incluem:

  • Tagarelice sem sentido, confusão ou desorientação;
  • Fúria sem motivo aparente;
  • Comportamento errático ou violento, como quebrar coisas e gritar com as pessoas ao seu redor;
  • Mudanças de humor muito velozes;
  • Pensamentos sobre a morte que podem incluir ideação suicida ou tentativa de suicídio;
  • Pensamentos intrusivos sobre seu bebê, como culpá-lo pela forma como você se sente ou desejar que ele desaparecesse.

A psicose pós parto é uma emergência severa com risco de vida. O risco de machucar você e seu bebê é real.

Se uma pessoa próxima a você exibe esses sintomas após o parto, procure conselho profissional imediatamente. A psicose pós-parto é tratável, ela geralmente exige hospitalização e o uso de medicamentos antipsicóticos.

Como a psicose pós-parto é tratada?

Vários medicamentos são usados para tratar a psicose. Eles podem ser usados isoladamente ou em combinação. Alguns deles são:

  • Estabilizadores de humor;
  • Antidepressivos;
  • Antipsicóticos.

Esses medicamentos podem ajudar a controlar seus sintomas e mantê-la estabilizada. Caso não, a Terapia Eletroconvulsiva é uma alternativa.

Esse tratamento consiste na aplicação de correntes elétricas (sob condição de anestesia geral) para induzir mudanças químicas no cérebro. Ela costuma ser bem recebida e pode ser efetiva em tratar a psicose pós-parto.

Uma vez estabilizada, seus médicos podem recomendar que você consulte um terapeuta que pode ajudá-la a lidar com seus sentimentos.

O tratamento deve continuar mesmo depois de você ser liberada do hospital. Conforme você se recupera, seus medicamentos talvez precisem ser ajustados.

Se você também tem transtorno bipolar ou algum outro transtorno mental, você também continuará seguindo seu plano de tratamento para essa condição.

Ansiedade pós parto

A depressão pós-parto recebe mais atenção, mas existem evidências de que a ansiedade pós-parto é mais comum.

É normal se sentir um pouco estressada ou preocupada quando você traz mais um bebê para a casa. Por vezes, esses sentimentos causam uma ansiedade que interfere na sua rotina.

Os sintomas mais comuns incluem episódios de hiperventilação, falta de ar e ataques de pânico.

A hiperventilação acontece quando você respira tão rápido e tão fundo que inala muito mais oxigênio do que exala gás carbônico (em condições normais há um equilíbrio entre o quanto você inala e exala). Isso resulta em uma sensação de falta de ar.

Ataques de pânico podem imitar os sintomas de um ataque cardíaco. Os sintomas incluem:

  • Coração palpitando;
  • Dor no peito;
  • Suor;
  • Falta de ar.

Outros sintomas de ansiedade pós-parto incluem:

  • Preocupação excessiva, mesmo com assuntos sem importância;
  • Ser incapaz de dormir por preocupação;
  • Repassar os mesmos problemas na sua mente, mesmo depois de terem sido resolvidos ou não serem importantes;
  • Falta de concentração por causa da preocupação;
  • Superproteger o bebê por medo de que algo aconteça;
  • Se preocupar sobre ou imaginar que você tenha uma doença séria.

Você pode ter ansiedade e depressão ao mesmo tempo, nesse caso, a ajuda de um médico vem muito a calhar para controlar a situação.

Enquanto é verdade que a depressão pós-parto pode ir embora sozinha, ela também pode piorar. É sempre uma boa ideia falar com seu médico. A ansiedade pode ser tratada com medicações e terapia.

Encontre o terapeuta ideal para você na PsyMeet Social

Transtorno Obsessivo-Compulsivo pós-parto

Você provavelmente deseja criar seu bebê em um ambiente saudável, e você pode sentir a pressão de fazer tudo com perfeição. Esses não são pensamentos incomuns para uma nova mãe, mas essa pressão pode levar ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

TOC pós-parto geralmente surge uma semana após o parto mas não é um transtorno muito comum.

As obsessões podem se referir a qualquer coisa, mas geralmente envolvem a segurança do bebê. Por exemplo, você pode temer que seu bebê morra durante a noite ou que você o derrube.

Se você tem TOC pós-parto, você pode se envolver em comportamentos ritualísticos relacionados a esses pensamentos, estes são alguns exemplos:

  • Organização e limpeza repetitivas, além de uma obsessão sobre germes entrarem em contato com o bebê;
  • Conferir repetidamente como está o bebê durante a noite, mesmo que você o tenha feito a pouquíssimo tempo;
  • Rituais como contar ou tocar em algo de uma maneira específica, acreditando que isso evitará que algo ruim aconteça;
  • Passar muito tempo pesquisando sobre a sua saúde ou a do bebê.

Talvez você não seja capaz de controlar esses pensamentos. Se você tem sintomas de TOC pós-parto que não vão embora depois de algumas semanas, procure um médico.

O TOC pós-parto pode ser tratado com terapia apenas ou com medicamentos antidepressivos.

Encontre um terapeuta para tratar de seu TOC

Depressão pós-parto em homens

Não é incomum que novos pais se sintam tristes de vez em quando. Assim como acontece com as mães, esses sentimentos são normais em homens e tendem a desaparecer conforme todos se adaptam à nova vida.

Homens também podem desenvolver um tipo de depressão pós-parto, saiba mais sobre ela.

Sintomas

Os sintomas da depressão são os mesmos para homens e mulheres, mas eles vêm mais gradualmente nos pais, o que pode fazê-los mais difíceis de identificar.

Novos pais também não têm retornos médicos após o parto como as novas mães têm, portanto a depressão pode permanecer não diagnosticada. Também existe menos informação e menos sistemas para ajudar os pais a lidarem com esses sentimentos.

Causas

Não existem muitos estudos sobre as causas da depressão pós-parto em homens.

Pesquisadores supõem que pode ter a ver com a testosterona e outros níveis hormonais. Outras possibilidades incluem a falta de sono, estresse e a mudança na dinâmica familiar.

Fatores de risco

Novos pais podem estar sob um risco maior de desenvolver depressão pós-parto se suas parceiras têm depressão.

Outro fator é o histórico de depressão ou outros transtornos psicológicos. Se for esse o caso, você deve falar com um médico antes do bebê nascer. Mencione quaisquer sinais de depressão, não importa quão discretos.

Tratamento

Os pais também deveriam preparar um sistema de suporte para si. Encontrar alguém para cuidar da criança, participar de um grupo de apoio contra depressão ou passar tempo com os amigos são alguns exemplos.

Tal qual as novas mães, os pais também precisam manter uma dieta saudável, exercitar-se regularmente e descansar bastante. Se seus sintomas depressivos não desaparecerem ou forem muito intensos, você deve procurar seu médico imediatamente.

No caso onde ambos os pais apresentam sinais de depressão, terapia de casal ou familiar pode ser uma boa ideia.

João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

O Que É o Transtorno do Apego Reativo

04.12.2021 | João Vitor Santos

O Que É o Transtorno do Apego Reativo

Conheça os sintomas e as opções de tratamento desse transtorno infantil.

O Que É Impulsividade?

04.12.2021 | João Vitor Santos

O Que É Impulsividade?

A impulsividade pode ser sintoma de um transtorno mental. Saiba como identificar e lidar com ela.

O Que É o Transtorno de Adaptação?

03.12.2021 | João Vitor Santos

O Que É o Transtorno de Adaptação?

Conheça os sintomas, causas e tratamentos desse transtorno de ansiedade.

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.