Psicologia Infantil | Ansiedade

8 dicas para ajudar crianças com ansiedade

A ansiedade pode ser um problema desde os primeiros anos. Saiba como ajudar seus filhos a lidarem com ela.

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

É normal que as crianças sintam medo às vezes. Isso pode até ser uma coisa boa. Afinal, seu filho não pensaria duas vezes antes de atravessar a rua ou pular de um penhasco se não tivesse um pouco de medo. O medo serve para mantê-lo seguro.

Mas, às vezes, as crianças podem ter medo de objetos ou situações que não representam uma ameaça – por exemplo, medo de falar em público ou monstros à espreita debaixo da cama. Essa ansiedade pode impedi-los de fazer coisas que gostariam de fazer (como tentar entrar no time de futebol).

A maneira como você responde à ansiedade do seu filho fará uma grande diferença em como ele aprende a lidar com os sentimentos de ansiedade. Abaixo estão oito estratégias que podem ajudar uma criança ansiosa a aprender a lidar com esses sentimentos desconfortáveis.

Valide os sentimentos dele

Quando seu filho diz que está preocupado com alguma coisa, pode ser tentador dizer coisas como: “Ah, não é grande coisa” ou “Não se preocupe com isso. Você vai ficar bem." Esses tipos de respostas enviam uma mensagem de que os sentimentos de seu filho estão errados.

Em vez disso, valide seus sentimentos dizendo coisas como: “Parece que você está muito nervoso agora” ou “Eu também ficaria um pouco ansioso se tivesse que ficar na frente de uma grande multidão”.

Em seguida, passe a mensagem de que você está confiante de que ele pode ter sucesso apesar do nervosismo. Diga algo como: “É difícil fazer coisas assustadoras como essa, mas tenho certeza de que você consegue”.

Quaisquer que sejam as palavras que você escolher, certifique-se de dizer essencialmente: “Não há problema em ter medo e você pode escolher ser corajoso”, em vez de “Você não deve se sentir ansioso”.

Diferencie ameaças reais de alarmes falsos

Converse com seu filho sobre como a ansiedade deve mantê-lo seguro. Por exemplo, se estivesse sendo perseguidos por um leão, seu cérebro sinalizaria ao corpo que ele está em perigo. Ele notaria mudanças no corpo, como palmas das mãos suadas e aumento da frequência cardíaca. Ele receberia uma onda imediata de energia enquanto se preparava para fugir do leão (uma ameaça real).

Então diga a ele que também há momentos em que o cérebro dispara um alarme falso. Esses alarmes falsos podem fazer com que ele sinta medo intenso de situações que estão longe de ser de vida ou morte. Os alarmes falsos podem incluir situações como começar em uma nova escola, falar na frente de muitas pessoas ou se preparar para uma prova.

Quando ele estiver ansioso, pergunte: “Seu cérebro está lhe dando um alarme real ou um alarme falso agora ?” Em seguida, ajude-o a decidir que ação tomar.

Explique que, se for uma ameaça real, ele deve ouvir os alarmes e tomar medidas para se manter seguro. Mas se for um alarme falso, é uma boa ideia enfrentar seus medos.

Combata pensamentos negativos

Assim como os adultos, seu filho é propenso a ter pensamentos negativos. Esses pensamentos podem causar ansiedade e corroer sua autoestima.

Abaixo estão algumas habilidades que você pode ensinar para identificar pensamentos negativos, questioná-los e transformá-los em positivos e realistas usando uma conversa interna positiva.

  • Encontre-o - Para lidar com um pensamento negativo, primeiro é necessário ser capaz de identificá-lo. Ajude-o a criar uma pequena lista de pensamentos negativos que ele tem com frequência;
  • Desafie-o - Incentive seu filho a se tornar um detetive que reúne pistas para avaliar as evidências por trás de seus pensamentos ansiosos. Por exemplo, se ele frequentemente diz a si mesmo: "Sou burro", peça-lhe que se pergunte: "É verdade? Sou estúpido? Houve momentos em que demonstrei que sou inteligente?" Isso vai ensiná-lo a não aceitar todos os pensamentos negativos que vierem à sua cabeça;
  • Mude-o - Uma vez que ele for capaz de reconhecer e desafiar sua conversa interna negativa, o passo final é substituí-la por uma positiva. Não diga: "Querido, você não é burro." Ele não só duvidará de você, mas também não aprenderá a mudar seus pensamentos negativos. Em vez disso, pergunte: “O que você diria a um amigo que pensa que é burro?” Quando eles oferecerem uma resposta gentil, incentive-os a dizer a si mesmos a mesma coisa.

Embora seja importante tranquilizar uma criança ansiosa, é ainda mais importante ensiná-la a se tratar com bondade e compaixão usando uma conversa interna mais saudável. Então, quando você não está ao lado dela para oferecer palavras tranquilizadoras, ela pode se tranquiliza sozinha.

Ensine a respiração profunda

Estudos mostram que a respiração lenta e profunda pode ajudar a reduzir os sintomas de depressão e ansiedade.

Se seu filho tiver muitos sintomas físicos de ansiedade, como batimentos cardíacos acelerados ou músculos tensos, ensine-o a acalmar o corpo com alguns exercícios simples de respiração.

Uma maneira rápida e fácil de ajudá-los a controlar a respiração é "cheirar a pizza". Aqui está como fazê-lo:

  1. Imagine uma fatia de pizza. Você também pode substituir pizza por qualquer outro alimento quente, como um bolo ou uma sopa.
  2. Sinta o cheiro da pizza. Respire fundo pelo nariz para inalar o delicioso aroma.
  3. Resfrie a pizza. Finja que está esfriando a pizza soprando lentamente pela boca.

Um exercício alternativo é ensinar a técnica de "soprar bolhas". Diga-lhe para fingir que está soprando bolhas com uma varinha. Lembre-o de como ele precisa soprar suavemente para obter uma boa bolha grande. Isso irá ajudá-los a lembrar de expirar lentamente.

Façam esses exercícios juntos algumas vezes para ajudá-lo a acalmar o corpo. Fale sobre como ele pode se lembrar de fazer isso sozinho quando estiver ansioso.

Dê um passo de cada vez

As crianças ansiosas muitas vezes vão a extremos para evitar seus medos. Infelizmente, a evasão só aumenta sua ansiedade. Embora possa parecer assustador, enfrentar os medos ajudará a resolver a ansiedade a longo prazo.

Se seu filho tem medo de algo específico, como dormir sozinho no escuro ou conhecer novas pessoas, ajude-o a enfrentar seus medos dando um pequeno passo de cada vez usando a abordagem do enfrentamento. O objetivo dessa abordagem é que ele faça algo moderadamente assustador – e continue praticando até que não seja mais tão assustador. Então, ele pode dar o próximo passo.

É importante, no entanto, mover-se lentamente. Se você tentar forçar seu filho a fazer algo que assustador demais, ele pode ficar com mais medo e o tiro sairá pela culatra.

Trabalhe com seu filho para elaborar uma lista dos passos que ele pode tomar para enfrentar seus medos e atingir seu objetivo geral. Aqui está um exemplo de como você pode ajudar uma criança a enfrentar o medo de dormir sozinha se ela estiver dormindo na sua cama:

  1. Faça com que seu filho durma em um colchão no chão, ao lado de sua cama;
  2. Faça com que seu filho durma em um colchão no chão, mas aproxime-o da porta, longe de sua cama;
  3. Faça com que seu filho durma em um colchão no chão do seu quarto, com um acordo de que você o colocará em sua própria cama quando adormecer;
  4. Faça com que seu filho adormeça em seu próprio quarto, com você no quarto;
  5. Faça com que seu filho adormeça em seu próprio quarto com o acordo de que você o verificará a cada dois minutos até que ele adormeça sozinho;
  6. Faça com que seu filho adormeça em seu próprio quarto, com a luz acesa;
  7. Faça com que seu filho adormeça em seu próprio quarto com apenas uma luz noturna acesa.

Se seu filho atingir um marco específico, você pode dar a ele outro privilégio ou uma recompensa especial. Você também pode usar consequências naturais para ajudar a motivar seu filho. Por exemplo, se ele é muito tímido para pedir seu próprio sorvete, você pode dizer que ele precisa fazer isso se quiser tomar um. Claro, você só deve usar isso se souber que ele é capaz de concluir a ação por conta própria.

Dependendo do medo do seu filho, você pode ter alguns passos ou muitos pela frente. Mas é importante levar seu filho a bordo durante esse estágio para garantir que ele esteja investindo na tentativa de criar uma mudança.

Ajude-o a se desligar

Se seu filho está ansioso com coisas que não pode controlar, como ficar preocupado com a possibilidade de chover amanhã e fazer com que um passeio seja cancelado, ajude-o a se livrar da ansiedade.

Quando seu filho estiver preocupado com uma coisa específica, pergunte: “Há algo que você possa fazer sobre isso?” Se a resposta for sim, ajude-os a resolver o problema.

Por exemplo, se ele está preocupado com uma prova de Ciências, estudar seria uma boa ideia. Ou, se ele está preocupado em não entrar no time de futsal, ele pode praticar suas habilidades.

Mas, se ele está preocupado com coisas que não pode controlar, como o clima ou o comportamento de outra pessoa, discuta o fato de que a única coisa que ele pode controlar é a própria reação. Fale sobre como ele pode tirar o melhor proveito do mau tempo ou como ele pode reagir se alguém for malvado com ele.

Então, ajude-o a tirar a mente do assunto. A preocupação incessante o manterá preso em um estado de ansiedade, então ajude-o a se desligar para mudar o humor. Uma maneira eficaz de se desligar é incentivando-o a mover o corpo e se envolver em uma atividade. Trabalhar em uma tarefa, correr ao ar livre ou jogar um jogo são algumas maneiras simples de se livrar de qualquer preocupação.

Esteja ciente do seu estilo parental

Alguns estilos parentais podem realmente piorar a ansiedade do seu filho, por isso é importante dar uma olhada no seu estilo parental e nas suas interações com seu filho.

Dos quatro estilos parentais identificados pela psicóloga Diana Baumrind, tanto a parentalidade autoritária quanto a permissiva estão ligadas a taxas mais altas de depressão e ansiedade entre as crianças.

Esperar a perfeição e controlar cada movimento de seu filho é uma maneira infalível de desencadear a ansiedade – em você e em seu filho. Isso pode fazer com que seu filho se sinta constantemente pressionado a ter sucesso, o que pode deixá-lo paralisado com medo e sentimentos de dúvida.

No entanto, a abordagem parental sem restrições dificilmente é a resposta. A paternidade permissiva deixa tanto para a criança escolher que também pode produzir ansiedade.

Pais que permitem que seus filhos lidem com os problemas do dia a dia da vida ajudam eles a desenvolverem mais resiliência e estratégias de enfrentamento saudáveis.

Procure ajuda profissional

Se a ansiedade do seu filho durar mais de duas semanas, converse com um pediatra. Você também deve conversar com um pediatra se a ansiedade do seu filho estiver interferindo no funcionamento diário.

Por exemplo, se a frequência à escola ou as notas são afetadas pela ansiedade ou se a criança está resistindo para se envolver em atividades sociais por causa de seus medos, algum apoio profissional pode ser necessário.

Transtornos de ansiedade (que podem incluir transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de estresse pós-traumático, fobia social e fobia específica) em crianças são comuns. Em torno de 25% das crianças e adolescentes brasileiros apresentaram sinais de ansiedade ou outras condições mentais por conta da pandemia.

Os transtornos de ansiedade são muito tratáveis, mas muitas vezes passam despercebidos e não são diagnosticados. Se você acha que seu filho pode ter um transtorno de ansiedade, converse com o pediatra. O pediatra pode encaminhar seu filho a um profissional de saúde mental para tratamento.

Cada tipo de ansiedade tem seu próprio conjunto de sintomas e, portanto, seu próprio tratamento. Normalmente, o tratamento para a ansiedade envolve psicoterapia, mas também pode incluir medicamentos. Um profissional de saúde mental pode ajudar seu filho a aprender habilidades para lidar com seus sentimentos de ansiedade e construir confiança para enfrentar alguns de seus medos.

Um psicoterapeuta provavelmente vai querer que você se envolva no tratamento para que você possa aprender como apoiar seu filho em casa. Você pode aprender estratégias específicas para treinar seu filho quando ele estiver ansioso ou aprender como ajudá-lo a enfrentar alguns de seus medos de maneira saudável.

Para marcar uma consulta com um psicoterapeuta agora, clique aqui.

João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

04.07.2022 | João Vitor Santos

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

A ansiedade pode ser um problema desde os primeiros anos. Saiba como ajudar seus filhos a lidarem com ela.

7 Sinais de que seu Filho Pode Estar com Dificuldades na Escola

29.06.2022 | João Vitor Santos

7 Sinais de que seu Filho Pode Estar com Dificuldades na Escola

Se seu filho não é de contar as coisas, esses sinais podem indicar que algo não vai bem na escola.

Estilos de Apego – Tipos e Características de Cada Um

06.05.2022 | João Vitor Santos

Estilos de Apego – Tipos e Características de Cada Um

A Teoria do Apego sugere que existem 4 estilos de apego, saiba quais são e como influenciam o comportamento.

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.