Ansiedade | Maternidade

O que é ansiedade pós-parto

O pós-parto é um período bastante delicado, inclusive psicologicamente falando. Conheça os sintomas, causa e tratamentos da ansiedade pós-parto.

O Que É Ansiedade Pós-Parto

Ansiedade pós-parto é a ansiedade que ocorre após o nascimento do bebê. É normal ficar estressada e/ou ansiosa após dar à luz, afinal, sua vida acabou de passar por uma mudança enorme. Agora existe a responsabilidade por uma vida, e isso custa muito, principalmente noites de sono.

Embora certa quantidade de estresse seja normal nesse período, a ansiedade pós-parto é um sentimento incontrolável e esmagador que interfere no seu cotidiano.

Com ansiedade pós-parto, você pode ter pensamentos intrusivos ou sintomas físicos, cuidar de si e do seu bebê pode parecer mais difícil também.

Não se sabe exatamente quantas mulheres sofrem com a ansiedade pós-parto – estimativas variam de 4,4% a 18%.

Buscar tratamento para a ansiedade pós-parto não só fará você se sentir melhor, mas também pode apoiar o desenvolvimento do seu bebê e manter você envolvida na sua rotina, relacionamentos e atividades importantes para você.

Ansiedade pós-parto vs depressão pós-parto

Infelizmente, a ansiedade pós-parto não é tão estudada ou comentada quanto a depressão pós-parto, mesmo que alguns pesquisadores apontem que a ansiedade pós-parto é mais comum que sua contraparte.

Um estudo conclui que 35% das pessoas que sofrem de ansiedade pós-parto também sofrerão com depressão pós-parto.

Definição de ansiedade pós-parto

Não existe um critério oficial para diagnóstico da ansiedade pós-parto, mas uma definição diz que é um transtorno de ansiedade que acontece no período de 12 meses após o parto.

Sintomas da ansiedade pós-parto

Segundo a 5ª edição do manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5), sintomas da ansiedade pós-parto podem incluir:

  • Pensamentos intrusivos ou persistentes;
  • Preocupação excessiva;
  • Insônia;
  • Comportamentos evasivos;
  • Tensão;
  • Boca seca;
  • Náusea;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Fadiga;
  • Tremores;
  • Ataques de pânico.

A forma como estes sintomas se manifestam varia de pessoa para pessoa. Por exemplo: você pode estar constantemente preocupada se seu bebê está respirando e ter dificuldade em se concentrar em qualquer outra coisa porque essa preocupação te consome.

Você também pode evitar a amamentação por preocupação ou ansiedade com a mordida do bebê. Ou pode estar sobrecarregada por sintomas físicos como náuseas ou dor no peito.

Se esses sintomas são desproporcionais à situação e impedem que você viva seus relacionamentos, atividades e responsabilidades normalmente, é importante conversar com seu médico.

Diagnóstico

O diagnóstico da ansiedade pós-parto pode ser desafiador ou passar desapercebido por múltiplas razões. Primeiro, muitos sintomas dessa condição podem ser considerados “normais” no período pós-parto.

Esses sintomas incluem fadiga, irritabilidade, insônia, tensão e dificuldade de concentração. Dessa forma, pode ser difícil para um profissional da saúde identificar um transtorno de ansiedade no período após o parto.

Em segundo lugar, diferente da depressão pós-parto, não existe uma definição oficial da ansiedade pós-parto no DSM-5, livro usado por muitos profissionais da saúde mental como guia de diagnósticos.

A ausência de critério no DSM-5 dificulta a categorização da ansiedade pós-parto como um transtorno de ansiedade generalizada (TAG), principalmente considerando que o TAG exige um histórico de seis meses apresentando os sintomas.

Uma mulher que apresenta ansiedade no período pós-parto pode não ter esse histórico. Portanto, pesquisadores encorajam os profissionais da saúde a diagnosticarem a ansiedade pós-parto se os sintomas do TAG persistirem por 30 dias, ao invés de seis meses.

Em terceiro lugar, houve sub-reconhecimento de transtornos de ansiedade nas populações pré e pós-parto. Isso significa que a ansiedade em mulheres grávidas ou que deram à luz recentemente não é tão bem estudada. Como resultado, não existem ferramentas de avaliação de ansiedade desenvolvidas especificamente para essas populações.

Uma sessão com um terapeuta é uma das formas mais comuns de diagnóstico da ansiedade pós-parto. O profissional fará perguntas para determinar se sua ansiedade está causando aflição significativa ou limitando seu funcionamento no dia a dia.

Causas

Como todos os transtornos de ansiedade, não existe uma razão clara para o surgimento da ansiedade pós-parto. Além disso, não existem muitas pesquisas sobre as causas dessa condição.

Pesquisas neurobiológicas encontraram semelhanças e diferenças de atividade cerebral entre a ansiedade convencional e a ansiedade pós-parto. Isso pode indicar que existe um conjunto de causas diferentes para a ansiedade pós-parto.

Em alguns casos, os estressores naturais do período perinatal (entre a 22ª semana de gravidez e 1ª semana após o parto) podem contribuir para o desenvolvimento da ansiedade pós-parto.

Preocupações relacionadas ao bem-estar da mãe, do bebê ou do parceiro têm o potencial de saírem de controle. Quando essas preocupações são persistentes e causam deficiências no funcionamento (incapacidade de executar atividades cotidianas), a ansiedade pós-parto pode ser diagnosticada.

Diferente da ansiedade na população em geral, mudanças hormonais relacionadas à gravidez também podem desempenhar um papel. Uma teoria é de que a abstinência de estrogênio pode causar ansiedade. Durante a gravidez, o nível de estrogênio aumenta rapidamente e então cai repentinamente após o parto e durante o período pós-parto .

Tratamento

Apesar de a ansiedade pós-parto possivelmente ter causas diferentes da ansiedade convencional, ela costuma ser tratada pelos mesmos métodos.

Entretanto, ao escolher um plano de tratamento que seja adequado para você, seu médico deve levar em conta que você passou por um parto recentemente, inclusive se você está amamentando ou não.

Psicoterapia

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é o principal tratamento para casos leves e moderados de ansiedade pós-parto. Treinamento em Mindfulness e técnicas de relaxamento também são opções efetivas para lidar com o estresse pós-parto.

Para falar com um psicoterapeuta, clique aqui.

Medicação

A medicação é, geralmente, a segunda opção de tratamento e é usada em casos moderados ou severos. Essa restrição se deve à chance de algumas substâncias chegarem ao leite materno que o bebê toma.

Seu médico vai levar isso em conta ao prescrever medicamentos e provavelmente começará com a menor dosagem possível.

Medicamentos usados no tratamento da ansiedade pós-parto incluem os inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS), inibidores seletivos de recaptação da serotonina e da noradrenalina (ISRSN), buspirona ou antidepressivos tricíclicos.

Dentre esses, os ISRS são os mais usados nos períodos pré e pós-parto.

Fatores de risco

Existem vários fatores que talvez deixem a mulher mais propensa à ansiedade pós-parto. Entre eles:

Um estudo de 2016 descobriu que as mulheres com mais chances de terem ansiedade pós-parto são aquelas que já passaram por vários partos, as que têm um histórico psiquiátrico e as que têm altos níveis de estresse de diversas fontes.

Ter mais de um fator de risco aumenta as chances de ter ansiedade pós-parto e isso inclui cuidar de outras crianças, inclusive o recém-nascido, no período pós-parto.

Convivência

Tranquilize-se em saber que existem bons motivos para ter sentimentos de ansiedade depois do parto. Primeiro, entenda que cuidar de um bebê não é fácil, e que sua ansiedade não é culpa sua.

Aqui estão algumas maneiras de lidar com a ansiedade pós-parto:

  • Converse com seu parceiro, amigos e familiares sobre suas preocupações e necessidade de apoio;
  • Equilibre as responsabilidades maternais com seu parceiro e outras pessoas de confiança;
  • Recrute familiares ou babás para ajudarem;
  • Entre em um grupo de apoio para mães, que podem ser encontrados online;
  • Tente manter uma dieta equilibrada;
  • Pratique Mindfulness e técnicas de relaxamento.
João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

Lidando Com a Parurese (ou Bexiga Tímida)

05.12.2021 | João Vitor Santos

Lidando Com a Parurese (ou Bexiga Tímida)

Você tem dificuldade em urinar fora de casa? Leia sobre as causas, sintomas e como tratar.

O Que É o Transtorno de Adaptação?

03.12.2021 | João Vitor Santos

O Que É o Transtorno de Adaptação?

Conheça os sintomas, causas e tratamentos desse transtorno de ansiedade.

A Importante Relação Entre Consumo de Álcool e Ansiedade

02.12.2021 | João Vitor Santos

A Importante Relação Entre Consumo de Álcool e Ansiedade

O álcool muitas vezes é visto como um antídoto contra o nervosismo, em certas situações sociais. Essa substância porém, também pode intensificar os sintomas da ansiedade.

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.