Ansiedade | Autocuidado

Ansiedade – Quais são os tipos e principais sintomas?

A ansiedade não é um transtorno homogêneo. Entre os diversos tipos é possível observar causas e sintomas diferentes. Aprenda mais sobre cada um deles.

Ansiedade – Quais São os Tipos e Principais Sintomas?

O que que é ansiedade?

Você está sentindo ansiedade? Talvez você se preocupe com um problema com seu chefe no trabalho. Talvez a razão do nervosismo seja a espera pelo resultado de um exame. Talvez seja o trânsito que sempre mexe com seus nervos.

Na vida é comum sentir ansiedade de tempos em tempos, e isso vale tanto para adultos quanto para crianças. Para a maioria das pessoas, o sentimento de ansiedade vem e vai, ficando por pouco tempo apenas.

Alguns momentos de ansiedade são mais breves que outros. Eles podem durar de alguns minutos até alguns dias.

Para algumas pessoas, porém, a ansiedade é mais do que uma preocupação passageira que deriva de um dia particularmente estressante. Nesses casos, a ansiedade vem e fica por semanas, meses ou até mesmo anos.

Ela também pode piorar com o tempo, podendo se tornar tão severa que passa a atrapalhar seu dia a dia. Quando isso acontece, diz-se que você tem um transtorno de ansiedade.

Quais os sintomas da ansiedade?

Enquanto é verdade que os sintomas da ansiedade variam de pessoa para pessoa, de maneira geral o corpo reage de uma maneira muito específica à ansiedade.

Quando ela chega, seu corpo entra em estado de alerta total e passa a antecipar ameaças, sua reação de lutar ou fugir também é acionada nesse momento.

Os sintomas comumente associados a esse cenário incluem:

  • Nervosismo e inquietude;
  • Sensação de perigo, pânico ou medo;
  • Ritmo cardíaco acelerado;
  • Respiração acelerada ou hiperventilação;
  • Produção intensa de suor;
  • Tremores ou contração involuntária dos músculos;
  • Fraqueza e letargia;
  • Dificuldade em focar ou pensar claramente sobre qualquer coisa que não seja o motivo da sua ansiedade;
  • Insônia;
  • Problemas digestivos ou gastrointestinais como gases, constipação ou diarreia;
  • Um desejo intenso de evitar as coisas que provocam ansiedade em você;
  • Obsessão com certas ideias, um sinal de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC);
  • Repetir certos comportamentos de novo e de novo;
  • Ansiedade sobre um evento de vida traumático.

Ataques de pânico

Ataque de pânico é uma experiência de intenso medo e aflição que atinge o pico em poucos minutos e envolve pelo menos quatro dos seguintes sintomas:

  • Palpitações;
  • Suor;
  • Tremores;
  • Falta de ar ou ofegância;
  • Sensação de enforcamento;
  • Dor ou aperto no peito;
  • Náuseas ou problemas gastrointestinais;
  • Tonturas ou sensação de que vai desmaiar;
  • Sentir calor ou frio;
  • Sentir dormência ou formigamento;
  • Sentir-se desconectado de si ou da realidade,
  • Sentir que está “enlouquecendo” ou perdendo o controle;
  • Medo de morrer.

Alguns dos sintomas de ansiedade podem surgir em transtornos que vão além da ansiedade em si. O caso mais comum são os ataques de pânico.

Os sintomas de um ataque de pânico são semelhantes aos de doenças cardíacas, problemas na tireoide, transtornos respiratórios e outras doenças.

Por conta disso, pessoas com transtorno do pânico podem fazer visitas frequentes ao pronto socorro ou ao consultório médico. Elas fazem isso acreditando que estão enfrentando condições que ameaçam a vida, e não ansiedade.

Tipos de transtornos de ansiedade

Existem vários tipos de transtorno de ansiedade, entre eles:

Agorafobia

Pessoas com agorafobia têm medo de certos lugares ou situações que as fazem sentir-se presas, impotentes ou constrangidas. Esses sentimentos levam a ataques de pânico.

Pessoas com agorafobia tendem a evitar ao máximo as situações ou lugares que podem provocar ataques de pânico.

Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

Pessoas com TAG sentem preocupação e ansiedade constantes em relação a atividades e eventos, mesmo aqueles que são ordinários ou rotineiros.

Essa ansiedade é desproporcional à realidade da situação e causa sintomas físicos como dores de cabeça, desconforto estomacal ou dificuldade para dormir.

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)

O TOC é uma experiência contínua de pensamentos intrusivos ou indesejados que causam ansiedade.

A pessoa pode saber que esses pensamentos são triviais, mas tentará aliviar a ansiedade executando certos rituais ou comportamentos. Isso pode incluir lavar as mãos, contar ou verificar coisas como se ela trancou a porta de casa ou não.

Transtorno do pânico

O transtorno do pânico é um dos transtornos responsáveis pelos ataques de pânico descritos anteriormente.

Os ataques de pânico podem provocar o medo de que eles ocorram de novo. Isso faz com que a pessoa evite as condições que já provocaram um episódio.

Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT)

O TEPT acontece depois que a pessoa testemunha ou passa por um evento traumático como:

  • Tiroteio;
  • Assalto;
  • Desastre natural;
  • Acidente.

Os sintomas incluem dificuldade em relaxar, sonhos perturbadores ou flashbacks do evento ou situação traumática.

Pessoas com TEPT também tendem a evitar coisas relacionadas a seu trauma.

Mutismo seletivo

Se trata da incapacidade persistente de uma criança falar em lugares ou situações específicos. Por exemplo, a criança pode se recusar a falar na escola, mesmo que ela consiga falar em outras situações ou lugares, como em casa.

O mutismo seletivo pode interferir nas atividades do dia a dia, como escola, tarefas e vida social.

Transtorno de ansiedade de separação

Essa é uma condição infantil marcada pela ansiedade quando a criança é separada dos pais ou responsáveis.

A ansiedade de separação é uma parte normal do desenvolvimento infantil. A maioria das crianças supera isso em 18 meses.

Algumas crianças, entretanto, sofrem com versões desse transtorno que interrompem as atividades diárias.

Fobias específicas

Fobia se trata do medo de um objeto, situação ou evento específico que provoca ansiedade severa em caso de exposição a esse elemento.

Fobias como a aracnofobia (medo de aranhas) ou a claustrofobia (medo de espaços apertados) podem fazer com que você sofra ataques de pânico quando houver exposição ao objeto da fobia.

O que causa a ansiedade?

Os médicos ainda não compreendem completamente o que causa os transtornos de ansiedade. Atualmente acredita-se que certas experiências traumáticas podem provocar transtornos de ansiedade em pessoas que são propensas a isso.

A genética também pode desempenhar um papel na ansiedade. Em alguns casos, o transtorno pode ser causado por um problema de saúde e pode ser o primeiro sinal de doença física, não mental.

Uma pessoa pode sofrer de mais de um transtorno de ansiedade ao mesmo tempo. A ansiedade também pode acompanhar outros transtornos psicológicos como a depressão e o transtorno bipolar. Isto é particularmente verdade para o transtorno de ansiedade generalizada, que costuma acompanhar outras condições.

Quando procurar um médico

Nem sempre é fácil diferenciar a ansiedade como um problema médico sério da ansiedade causada por um dia particularmente difícil.

Sem o tratamento adequado, porém, sua ansiedade pode não ir embora e até mesmo piorar com o tempo. Tratar a ansiedade e outros transtornos mentais logo que os sintomas se manifestam é sempre preferível.

Você deve procurar um médico se:

  • Você sente que está se preocupando tanto que sua vida diária está sendo prejudicada (incluindo higiene, estudos ou trabalho e sua vida social);
  • Sua ansiedade, medo ou preocupação te causam aflição e são difíceis de controlar; Você se sente para baixo e está usando álcool ou drogas para lidar com isso ou tem outras condições mentais além da ansiedade;
  • Você tem a impressão de que sua ansiedade é causada por um problema de saúde mental não diagnosticado;
  • Você tem tido pensamentos suicidas ou está machucando a si mesmo (se sim, ligue para o Centro de Valorização da Vida: 188).

Próximos passos

Se você decidiu que precisa de ajuda com sua ansiedade, o primeiro passo é procurar seu médico de confiança – ele será capaz de determinar se sua ansiedade é relacionada a um problema físico não diagnosticado.

Caso este seja o caso, o profissional poderá fornecer um plano de tratamento que ajudará a aliviar sua ansiedade.

Seu médico vai encaminhá-lo a um especialista em saúde mental caso ele determine que a sua ansiedade não é causada por questões físicas. Os especialistas mais procurados nesse caso são os psicólogos e os psiquiatras.

Um psiquiatra é um médico qualificado para diagnosticar e tratar transtornos mentais através do uso de medicamentos e outros tratamentos.

O psicólogo é um profissional de saúde mental que pode diagnosticar e tratar transtornos de saúde mental através da terapia e outros tratamentos, desde que não incluam medicamentos.

Para ajudar a diagnosticar um transtorno de ansiedade, o profissional de saúde mental provavelmente fará uma avaliação psicológica na primeira sessão de terapia. Entre outras coisas, você precisará falar sobre seus pensamentos, comportamentos e sentimentos.

Encontrando o profissional de saúde mental adequado

Você saberá que um terapeuta é o certo quando você se sentir confortável em falar com ele sobre sua ansiedade.

Você precisará ver um psiquiatra se for determinado que é necessário incluir medicamentos no seu tratamento. Caso apenas terapia seja o suficiente, consultar-se com um psicólogo deve ser o suficiente.

Lembre-se que sentir os resultados do tratamento leva tempo. Seja paciente e siga com cuidado as orientações do seu terapeuta para obter os melhores resultados.

Saiba, porém, que se você sentir desconforto com seu terapeuta, ou se sentir que não está progredindo o suficiente, sempre existe a opção de procurar ajuda em outro lugar.

Se deseja encontrar um psicólogo agora mesmo, clique aqui.

Tratamentos caseiros contra a ansiedade

Enquanto usar medicação e fazer terapia ajudam com a ansiedade, lidar com o transtorno é uma tarefa ininterrupta.

Felizmente, existem várias mudanças simples no estilo de vida que podem ser feitas em casa e diminuir ainda mais seus sintomas.

Exercite-se. Definir uma rotina de exercícios para ser seguida em todos (ou na maioria dos) dias pode ajudar a diminuir seu estresse e ansiedade. Se você costuma ser sedentário, comece com algumas poucas atividades e inclua outras com o passar do tempo.

Evite álcool e drogas recreativas. Usar álcool ou drogas pode piorar sua ansiedade. Se você tem dificuldade em parar, procure um grupo de apoio para receber ajuda. Pare de fumar e reduza o consumo de cafeína. A nicotina do cigarro e a cafeína de bebidas estimulantes como café e energéticos, pode piorar os sintomas da ansiedade. Experimente técnicas de relaxamento e de gerenciamento do estresse. Meditar, repetir um mantra, praticar técnicas de visualização ou fazer ioga podem todos promover relaxamento e reduzir a ansiedade.

Durma o suficiente. Um sono que não revigora pode provocar sentimentos de inquietude e ansiedade. Se você tem problemas para dormir, procure seu médico para receber ajuda.

Atenha-se a uma dieta saudável. Não deixe de comer frutas, vegetais, grãos e carnes mais suaves como frango e peixe.

Convivência e apoio

Conviver com um transtorno de ansiedade pode ser um desafio. Colocamos aqui algumas coisas que podem facilitar as coisas:

Seja bem informado. Aprenda o máximo que puder sobre sua condição e quais tratamentos estão disponíveis para que você possa tomar as decisões corretas sobre seu tratamento.

Seja consistente. Siga o plano de tratamento que seu profissional de saúde mental lhe passou. Tome sua medicação conforme o receitado e não perca as sessões de terapia. Isso ajudará a manter o sintomas da ansiedade longe.

Se conheça. Identifique os gatilhos da sua ansiedade e pratique as estratégias de enfrentamento que você e seu terapeuta construírem. Dessa forma, você poderá lidar da melhor maneira possível quando um episódio começar.

Tome notas. Manter um diário de seus sentimentos e experiências pode ajudar seu terapeuta a determinar o melhor plano de tratamento para você.

Consiga apoio. Considere fazer parte de um grupo de apoio onde você pode compartilhar suas experiências e ouvir as de outras pessoas que sofrem de transtornos de ansiedade.

Gerencie seu tempo de maneira inteligente. Isso pode ajudar você a reduzir sua ansiedade e ajuda você a aproveitar o máximo do seu tratamento.

Seja social. Se isolar dos seus amigos e familiares pode tornar sua ansiedade pior. Faça planos com as pessoas que você gosta de estar junto.

João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

23.05.2022 | João Vitor Santos

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

A ansiedade pode ser um problema desde os primeiros anos. Saiba como ajudar seus filhos a lidarem com ela.

Algumas Influências Sociais Sobre a Ansiedade

11.05.2022 | Caique Oliveira

Algumas Influências Sociais Sobre a Ansiedade

O ser humano é um ser biopsicossocial. Sofremos por questões do corpo, da mente e da cultura em que estamos inseridos. Este artigo visa debater brevemente sobre essa leit ...

Ansiedade Infantil – Sintomas e Como Encontrar Ajuda

06.04.2022 | João Vitor Santos

Ansiedade Infantil – Sintomas e Como Encontrar Ajuda

Assim como nos adultos, a ansiedade em crianças também pode ser um transtorno, saiba o que fazer.

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.