Saúde Mental | Relacionamentos

O Que É o Medo do Abandono e Como Superá-lo

Veja aqui tudo o que você precisa saber sobre o medo do abandono: definição, sinais, causas e tratamentos

O Que É o Medo do Abandono e Como Superá-lo

O medo do abandono é o medo avassalador, mas injustificado, de que as pessoas que você ama o deixem física e/ou emocionalmente.

O medo do abandono é um fenômeno complexo que pode resultar de uma variedade de experiências de desenvolvimento, incluindo perda e trauma. Este medo tem sido estudado a partir de uma variedade de perspectivas.

As teorias por trás da ocorrência do medo do abandono incluem interrupções no desenvolvimento normal de certas capacidades cognitivas e emocionais, desafios com relacionamentos anteriores e outras experiências sociais e de vida problemáticas.

Embora não seja uma fobia oficial, o medo do abandono é indiscutivelmente um dos medos mais comuns e prejudiciais. Pessoas com medo de abandono tendem a exibir comportamentos e padrões de pensamento que afetam seus relacionamentos.

Em última análise, essas estratégias de enfrentamento desadaptativas podem resultar no próprio abandono que elas temem. Consequentemente, esse medo pode ser devastador.

Sintomas do medo do abandono

Nos relacionamentos, as pessoas com medo de abandono tendem a:

  • Conectar-se rapidamente, mesmo a parceiros ou relacionamentos indisponíveis;
  • Deixar de se comprometer totalmente e ter tido muito poucos relacionamentos de longo prazo;
  • Seguir em frente rapidamente apenas para garantir que você não fique muito apegado;
  • Procurar agradar;
  • Envolver-se em sexo indesejado (isso é comum em mulheres);
  • Permanecer em relacionamentos, não importa o quão prejudiciais eles sejam;
  • Lutar contra, ser difícil de agradar e meticuloso;
  • Ter dificuldade em experimentar intimidade emocional;
  • Sentir-se inseguro e indigno de amor;
  • Achar difícil confiar nas pessoas;
  • Muitas vezes ter ciúmes de todos que conhece;
  • Experimentar sentimentos intensos de ansiedade de separação;
  • Ter sentimentos de ansiedade geral e depressão;
  • Tendem a pensar demais nas coisas e trabalham duro para descobrir significados ocultos;
  • Ser hipersensíveis a críticas;
  • Conter raiva reprimida e problemas de controle;
  • Envolver-se em auto culpa com frequência.

Milhões de pessoas lutam contra o medo. Na verdade, quase 10% das pessoas nos EUA têm algum tipo de fobia.

Causas do medo do abandono

Muitas teorias cercam as origens do distúrbio. Geralmente, os psicólogos atribuem o medo do abandono a experiências, crenças e conceitos que internalizamos quando crianças.

Uma criança a quem são negados confortos básicos e necessários, como afeto físico, conexão emocional e segurança, aprende a não confiar na permanência destes na idade adulta. Exemplos de experiências contributivas podem incluir:

  • Abuso;
  • Abandono;
  • Negligência;
  • Morte de um ente querido;
  • Distância emocional de um pai ou cuidador.

Condições de Saúde Mental

O medo do abandono aparece com frequência e destaque em várias condições de saúde mental, incluindo transtorno de personalidade borderline e transtorno de ansiedade de separação.

Constância do Objeto

Na teoria das relações objetais (um desdobramento da análise freudiana), um "objeto" na mente de alguém é uma pessoa, uma parte de uma pessoa ou algo que de alguma forma simboliza um ou outro. A constância do objeto é o conceito de que a experiência de uma pessoa não muda fundamentalmente quando a pessoa está fisicamente ausente.

Isso está relacionado à ideia de permanência do objeto estudada pela primeira vez pelo psicólogo do desenvolvimento Jean Piaget. Os bebês aprendem que os objetos físicos continuam a existir mesmo quando estão fora do campo de visão.

A constância do objeto geralmente se desenvolve antes dos . À medida que as crianças crescem e amadurecem, os períodos de separação aumentam e muitas vezes são gerados pela criança - por exemplo, quando vão à escola ou passam o fim de semana na casa de um amigo. Uma criança com boa constância de objetos entende que relacionamentos importantes não são prejudicados pelo tempo de separação.

Eventos traumáticos podem interromper a constância do objeto. Morte e divórcio são causas comuns, mas mesmo situações que parecem relativamente sem importância para os adultos envolvidos podem afetar o desenvolvimento dessa compreensão crítica.

Por exemplo, crianças com pais negligentes, pais militares ou pais que têm pouco tempo para passar com eles também correm o risco de constância de objetos interrompidos.

Arquétipos e Mitologia

A mitologia está repleta de histórias de amantes abandonados ou rejeitados, principalmente mulheres que se dedicam inteiramente aos seus parceiros apenas para serem deixadas para trás quando os amantes partem para conquistar o mundo.

Alguns psicólogos, como Carl Jung, argumentam que esses mitos e lendas se tornaram parte de nosso inconsciente coletivo. Em algum nível primordial, internalizamos certos arquétipos e histórias e os tornamos parte de nossa visão de mundo compartilhada.

De acordo com Jung, cada um de nós tem um mito pessoal que não é compartilhado com os outros, mas reside profundamente em nosso âmago. Compreende nossas interpretações do inconsciente coletivo através dos filtros de nossas próprias experiências.

Nessa perspectiva, o medo do abandono está ligado a esses mitos universais, mas varia em gravidade de acordo com nossas próprias memórias pessoais.

Experiências anteriores

Quando nos tornamos adultos, a maioria de nós já passou por algumas mudanças significativas - a morte de um ente querido, a mudança de um amigo, o fim de um relacionamento, a transição do ensino médio para a faculdade, para o casamento e a paternidade. Embora a maioria de nós se adapte às mudanças nas circunstâncias, é comum ficar preso em algum ponto do processo de luto.

Se você passou por um abandono súbito e traumático, como perder alguém para violência ou tragédia, pode estar em maior risco de desenvolver esse medo.

Medo dos Efeitos do Abandono

O medo do abandono é altamente personalizado. Algumas pessoas têm medo de perder parceiros românticos. Outros temem o abandono em outros relacionamentos.

Um relacionamento típico envolvendo uma pessoa com problemas de abandono pode passar pelos seguintes estágios.

Conhecer um ao outro

Neste ponto, você se sente relativamente seguro. Você ainda não está emocionalmente envolvido com a outra pessoa, então continua a viver sua vida enquanto aproveita o tempo juntos. fase lua de mel

Você escolhe se comprometer, disposto a ignorar possíveis bandeiras vermelhas ou amarelas porque você se dá muito bem. Você começa a passar muito tempo com a outra pessoa e sempre se diverte. Você começa a se sentir seguro.

Relacionamento real

A vida real intervém. As pessoas ficam doentes, têm problemas familiares, trabalham em horários difíceis, se preocupam com dinheiro e precisam de tempo para fazer as coisas.Embora este seja um passo normal e positivo em um relacionamento, pode aterrorizar alguém com medo de abandono que percebe erroneamente que você está se afastando.

Se você tem esse medo, provavelmente está lutando consigo mesmo e tentando muito não expressar suas preocupações por medo de parecer pegajoso.

O ligeiro

Ocorre uma aparente desconsideração - uma mensagem de texto não respondida, um telefonema não retornado ou um pedido de alguns dias a sós.

A reação deles

O que acontece a seguir é quase inteiramente determinado pelo seu medo de abandono, sua gravidade e o estilo de enfrentamento preferido. Para você, parece que seu parceiro não te ama mais. Na realidade, seu parceiro não retornou sua mensagem porque estava dirigindo, ocupado, etc.

Algumas pessoas lidam com isso tornando-se pegajosas e exigentes, insistindo que seu parceiro prove seu amor pulando obstáculos. Outros fogem, rejeitando seus parceiros antes de serem rejeitados. Outros ainda acham que a negligência é culpa deles e tentam se transformar no "parceiro perfeito" para evitar uma separação.

Em um relacionamento saudável, ambos os parceiros reconheceriam a situação pelo que ela é: uma ocorrência normal que tem pouco ou nada a ver com o relacionamento. Ou eles podem abordar o aborrecimento resultante com uma discussão calma ou uma breve discussão. De qualquer maneira, uma única ofensa percebida não se torna uma influência dominante nos sentimentos do parceiro em um relacionamento saudável.

A reação do seu parceiro

Sua mudança repentina de personalidade parece vir do nada. Seu parceiro provavelmente não tem ideia de por que seu parceiro anteriormente confiante e descontraído de repente está agindo de forma pegajosa e exigente, sufocando-o com atenção ou se afastando completamente.

Tal como acontece com outras fobias, ninguém pode simplesmente convencer alguém de seu medo de abandono. Não importa quantas vezes eles sejam tranquilizados, não será suficiente. Eventualmente, seus padrões de comportamento e reações inconsoláveis podem afastar os outros, levando à conclusão que a pessoa mais temia.

Tratamentos para o medo do abandono

Vários tipos de terapia estão disponíveis para ajudar a gerenciar e reduzir os problemas de abandono:

  • A terapia cognitivo comportamental ajuda a pessoa a substituir pensamentos negativos por positivos;
  • A ludoterapia usa brinquedos e jogos que atraem as crianças em psicoterapia;
  • A terapia baseada no apego depende de um forte relacionamento entre o terapeuta e o paciente;
  • A terapia comportamental ajuda os pacientes a descobrir padrões de comportamento e suas origens por meio da terapia da fala.

Lidando com o medo do abandono

Se o seu medo for brando e bem controlado, você poderá lidar com ele simplesmente aprendendo sobre suas tendências e aprendendo novas estratégias de comportamento. Para a maioria das pessoas, porém, o medo do abandono está enraizado em questões profundas que são difíceis de desvendar sozinho.

A assistência profissional geralmente é necessária para superar esse medo e realmente mudar seus pensamentos e comportamentos.

Embora tratar o medo em si seja crítico, também é essencial construir um sentimento de pertencimento. Em vez de concentrar toda a sua energia e devoção em um único parceiro, concentre-se na construção de uma comunidade. Nenhuma pessoa pode resolver todos os nossos problemas ou atender a todas as nossas necessidades. Mas um grupo sólido de vários amigos íntimos pode desempenhar um papel importante em nossas vidas.

Muitas pessoas com medo de abandono afirmam que nunca sentiram que tinham uma "tribo" ou uma "matilha" quando estavam crescendo. Por qualquer motivo, eles sempre se sentiram "outros" ou desconectados daqueles ao seu redor. Mas a boa notícia é que nunca é tarde demais.

Seja qual for o seu estágio atual de vida, é importante cercar-se de outras pessoas que pensam como você. Faça uma lista de seus hobbies, paixões e sonhos atuais. Em seguida, encontre outras pessoas que compartilham seus interesses.

Embora seja verdade que nem todo mundo que compartilha um interesse se tornará um amigo próximo, hobbies e sonhos são um excelente trampolim para a construção de uma sólida rede de apoio. Trabalhar em suas paixões também ajuda a construir autoconfiança e a crença de que você é forte o suficiente para lidar com o que quer que a vida coloque em seu caminho.

João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Engenheiro Mecânico, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

O Que Torna Uma Pessoa Heróica?

04.06.2023 | João Vitor Santos

O Que Torna Uma Pessoa Heróica?

Veja aqui as principais características do heroísmo e entenda o que é necessário para uma pessoa ser considerada um herói

Os Benefícios do Altruísmo Para o Gerenciamento do Estresse

02.06.2023 | João Vitor Santos

Os Benefícios do Altruísmo Para o Gerenciamento do Estresse

Aqui estão algumas razões pelas quais ajudar os outros ajuda você a gerenciar seus níveis de estresse

Cura Emocional: O que É e Como Encontrá-la

01.06.2023 | João Vitor Santos

Cura Emocional: O que É e Como Encontrá-la

Veja aqui o que é a cura emocional, como saber se você precisa dela, quais são seus benefícios e como encontrá-la em sua própria vida

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.