Ansiedade | Saúde Mental

O que é o transtorno de adaptação?

Conheça os sintomas, causas e tratamentos desse transtorno de ansiedade.

O Que É o Transtorno de Adaptação?

Grandes mudanças na vida, como a morte de uma pessoa amada ou uma mudança para uma nova cidade, podem causar estresse. A maioria das pessoas se adapta a essas mudanças dentro de alguns meses.

Para alguns, entretanto, o estresse associado a essas mudanças pode sobrecarregar ao ponto de interromper suas vidas.

Quando esses sentimentos persistem mais do que o normal, pode ser que um transtorno de adaptação (ou de ajuste) tenha se instalado.

Sintomas do transtorno de adaptação

Um transtorno de adaptação é classificado de acordo com o tipo de reação que ele causa. Existem seis subtipos de transtornos de adaptação listados no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), cada um deles baseado no sintoma principal apresentado:

Transtorno de adaptação com humor deprimido – Baixo astral, sentimentos de desesperança e tendência a chorar.

Transtorno de adaptação com ansiedade – Nervosismo, preocupação e medo de separação dos cuidadores.

Transtorno de adaptação com ansiedade e humor deprimido – Uma combinação dos dois tipos citados acima.

Transtorno de adaptação com perturbação de conduta – Violação dos direitos de outros, de normas sociais ou de regras.

Transtorno de adaptação com perturbação de emoções e de conduta – Uma combinação dos sintomas de todos os subtipos citados acima.

Transtorno de adaptação não especificado – As reações ao evento estressor não se enquadram em nenhum dos critérios acima. As reações podem incluir comportamentos como isolamento social.

Os sintomas podem variar de acordo com a idade da pessoa. Crianças e adolescentes têm uma chance maior de mostrar reações relacionadas ao comportamento, como confusões na escola. Os adultos, por outro lado, tendem a apresentar os sintomas emocionais.

Causas

Os especialistas ainda não conseguiram determinar uma causa específica que leva uma pessoa a desenvolver o transtorno de adaptação, mas existem alguns fatores que contribuem para o aparecimento.

Essa condição pode aparecer em qualquer idade, mas as crianças são o grupo onde mais acontece. Qualquer evento estressante pode desencadear o transtorno.

Estressores comuns para adultos incluem:

  • Morte de uma pessoa querida;
  • Divórcio ou dificuldades no relacionamento;
  • Problemas financeiros;
  • Se casar;
  • Ter um filho;
  • Doenças ou problemas de saúde com você ou uma pessoa amada;
  • Viver em um local com alta criminalidade;
  • Perda de emprego;
  • Mudança para uma nova casa;
  • Desastre natural;
  • Aposentadoria.

Alguns estressores que podem levar ao transtorno de adaptação em crianças e adolescentes incluem:

  • Ganhar um irmão/irmã novo;
  • Morte de um animal de estimação;
  • Divórcio dos pais;
  • Entrar em uma escola nova ou sair da atual;
  • Sair de casa pela primeira vez;
  • Problemas de sexualidade (como incertezas relacionadas à orientação sexual).

Como você pode ver, um estressor pode ser um evento pontual (término de um relacionamento, por exemplo) ou eventos múltiplos (como problemas no relacionamento), que podem ser contínuos (viver em um lugar inseguro) ou recorrentes (ver seu/sua ex durante as férias).

Diagnóstico

O diagnóstico de um transtorno mental costuma ser feito por um profissional da saúde mental, como um psicólogo ou psiquiatra, depois de fazer uma avaliação psicológica completa.

A avaliação inclui um histórico pessoal detalhado do desenvolvimento, eventos de vida, emoções, comportamentos e o evento estressor em questão.

Para ser diagnosticado(a) com um transtorno de adaptação, seus sintomas devem ser “clinicamente significativos”. De acordo com o DSM-5, isso significa que você deve atender pelo menos um dos seguintes critérios:

  • Sua aflição é desproporcional ao evento que a provocou;
  • Seus sintomas devem interromper significativamente sua vida pessoal, funcionamento social ou presença (ou desempenho) na escola/trabalho.

Além disso, para receber o diagnóstico:

  • Seus sintomas devem ter começado no máximo três meses após o evento estressor ter acontecido;
  • Sua aflição e incapacitação não devem atender os critérios de outros transtornos mentais (como o Transtorno de Estresse Pós-Traumático, ou TEPT) e não são causadas por uma condição mental já diagnosticada;
  • Sua reação não é parte do luto normal;
  • Quando o estressor é removido, os sintomas diminuem dentro de seis meses.

O transtorno de adaptação é difícil de diagnosticar porque compartilha sintomas com outros transtornos mentais.

Tratamento contra o transtorno de adaptação

O principal objetivo do tratamento é aliviar seus sintomas e ajudar você a ser tão funcional quanto era antes do evento estressor.

Psicoterapia

O transtorno de ajuste é altamente tratável e geralmente responde bem à psicoterapia. Independente de qual seja o estressor, a terapia ajudará você a entender como ele afetou sua vida. A terapia também ajudará você a desenvolver mecanismos de enfrentamento e de controle do estresse para lidar com os eventos estressantes.

O formato da terapia varia de um paciente para o outro. Por conta da brevidade dos transtornos de adaptação, terapias de curto prazo como a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) geralmente são mais indicadas.

A terapia familiar também pode fazer bem para algumas pessoas, principalmente se o problema é relacionado à família ou se o paciente é adolescente. A terapia de casal pode ser ideal se o transtorno está impactando negativamente o relacionamento.

Se você deseja falar com um psicólogo agora mesmo, clique aqui.

Medicação

Embora a terapia seja o tratamento preferido contra esse transtorno, medicamentos podem ser receitados para aliviar sintomas mais problemáticos, como depressão, ansiedade e insônia.

Convivência

Aqui vão algumas dicas para lidar melhor com um transtorno de ajuste:

Evite estresse desnecessárioO estresse é inevitável às vezes. Embora você não tenha o poder de evitar todas as situações estressantes, qualquer coisa que você fizer para diminuir seu estresse é útil. Por exemplo, se existe uma grande mudança vindo por aí, não assuma responsabilidades adicionais que deixarão você ainda mais ansioso(a).

Entre em um grupo de apoio – Às vezes, é útil compartilhar suas ansiedades com pessoas que estiveram em uma situação parecida. Uma variedade de estressores podem ser abordados em grupos de apoio, desde o divórcio até a perda de uma pessoa querida.

Apoie-se em alguém de confiança – Ter alguém para te ouvir sem fazer julgamentos é inestimável durante tempos de estresse. Diga a amigos ou familiares de confiança quando você se sentir sobrecarregado(a) e informe como eles podem ajudar você.

João Vitor Gomes dos Santos
João Vitor Gomes dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Leia também:

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

23.05.2022 | João Vitor Santos

8 Dicas Para Ajudar Crianças com Ansiedade

A ansiedade pode ser um problema desde os primeiros anos. Saiba como ajudar seus filhos a lidarem com ela.

Algumas Influências Sociais Sobre a Ansiedade

11.05.2022 | Caique Oliveira

Algumas Influências Sociais Sobre a Ansiedade

O ser humano é um ser biopsicossocial. Sofremos por questões do corpo, da mente e da cultura em que estamos inseridos. Este artigo visa debater brevemente sobre essa leit ...

Ansiedade Infantil – Sintomas e Como Encontrar Ajuda

06.04.2022 | João Vitor Santos

Ansiedade Infantil – Sintomas e Como Encontrar Ajuda

Assim como nos adultos, a ansiedade em crianças também pode ser um transtorno, saiba o que fazer.

logo do whatsapp

Responsável técnico

Alysson E. de C. Aquino

CRP: 08/20173

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.